Tag

skate

Browsing

Entre muitas discussões e reprovações do skate nas Olimpíadas eis que chegou o momento: O skate esta nas Olimpíadas e ainda é a promessa de ouro para o Brasil!

As Olimpíadas em Tóquio 2021 vai ter sua estreia ( cerimônia ) no dia 23 de julho as 8h da manhã e o skate vai ser no dia 25 de julho as 9h ( horário do Japão) .Vai ser transmitido nos canais da Esport Tv e na Globo.

Mas quem são os skatistas que vão participar?

Esta dividido em 2 modalidades: o street e o park e cada modalidade terão 6 skatistas ( 3 masculinos e 3 femininos) no total de 12 skatistas profissionais!

Na modalidade do Street :
_ Leticia Bufoni – SP
_ Pamela Rosa -SP
_ Rayssa Leal – MR
_ Kelvin Hoefler – SP
_ Felipe Gustavo (Bochecha) – DF
_ Giovanni Vianna – Santo Andre- SP

Na modalidade Park :
_ Yndiara Asp – SC
_ Dora Varela – SC
_ Isadora Pacheco – SC
_ Pedro Barros – SC
_ Luiz Franscisco
_ Pedro Quintas

Qual a principal chance de medalha do skate brasileiro?

O street feminino é o grande carro-chefe do Brasil nessas Olimpíadas e principal modalidade com chance de medalha. O país conta três skatistas entre as quatro melhores do ranking: Pamela (1º), Rayssa (2º) e Leticia (4º). As três possuem chance de pódio, embora seja complicado que as três conquistem medalhas.

O street masculino brasileiro tem como principal candidato à medalha, Kelvin Hoefler, o então quarto colocado no ranking mundial. Ainda compõem a equipe os atletas Felipe Gustavo e Giovani Vianna, mas 17º e 19º no ranking, respectivamente.

Por outro lado, no park feminino, o brasil é composto por Yndiara Asp, Isadora Pacheco e Dora Varella. Ambas não chegaram à final do Mundial de 2021, mas podem ser surpresas na competição. Dora Varella é a melhor posicionada no ranking, em 9º. Isadora Pacheco é a 11ª, enquanto Yndiara Asp está em 14º.

Por fim, no park masculino, o Brasil também surge como um fortíssimo candidato à medalha. O país terá Luiz Franscisco e o multicampeão Pedro Barros, que então ocupam terceiro e quarto no ranking, respectivamente. Completa a equipe o skatista Pedro Quintas, bronze no Mundial de 2019, mas atual 10º colocado do ranking.



Por: Amee Skate
Fontes: CDI
CBSK
Canal OFF

Leticia Bufoni, Nyjah Huston, Sky Brown, Bryce Wettstein, Tiago Lemos, Dennis Enarson and Jackson Strong são alguns dos atletas a participarem dessa edição de 14 a 18 de julho de 2021 pela ESPN.
O X Games é o evento mais respeitado no universo dos esportes radicais sendo considerado a “Os Jogos Olímpicos dos esportes radicais”. E desde de 24 de junho de 1995, onde teve seu 1º evento nos Estados Unidos.
Ele é dividido em 2 etapas no ano: O winter X Games ( em janeiro e fevereiro) e o Summer X Games ( julho/agosto) e é um evento exclusivamente transmitido pela ESPN.

X Games 2021

Depois de 2020 sem competição de verão o X Games retorna ao berço dos esportes de ação no sul da Califórnia em 2021 para hospedar os melhores atletas de BMX, Skate e Moto X do mundo com uma nova reviravolta. Atletas incluindo Nyjah Huston, Sky Brown, Bryce Wettstein, Letícia Bufoni entre outros competirão no X 2021 antes de seguir para Tóquio para a estreia do skate nas Olimpíadas.

Grandes nomes brasileiros Leticia Bufoni, Pamela Rosa, Rayssa Leal, Karen Jones, Felipe Gustavo, Kelvin Hoefler e Luan Oliveira, Augusto Akio, Gui Khury, Luigi Cini, Marcelos Bastos, Rony Gomes, Sandro Dias e Bob Burnquist, Edgard Vovô entre outros! Nesta edição vão participar: a Virginia Fortes, Isabelle Avila, Leticia Bufoni, Augusto Akio, Tiago Lemos, Gui Khury e Gabriel Fortunato.


Os X Games sempre “trazem” manobras novas como o “The 900” de Tony Hawk  no skate vertical, Anthony Napolitan com o primeiro Double Frontflip (Duplo Mortal de Frente) no BMX,Travis Pastrana com o Double Backflip (Duplo Mortal de Costas) no Freestyle Motocross, Torstein Horgmo ‘s sendo o primeiro a acertar o triple cork no snowboard, Levi Lavallee com o Double Backflip na modalidade de Freestyle Snowcross, etc. O local do Winter X Games é em Aspen no Colorado até 2012, e do Summer X Games é em Los Angeles.

A programação da transmissão do X Games 2021 na ESPN, ABC e ESPN2 é atualizada na programação aqui. O X Games 2021 também é transmitido ao vivo no Facebook, Twitter, YouTube e TikTok para espectadores nos Estados Unidos e nos serviços de streaming online da ESPN em todo o mundo. Todas as competições também estarão disponíveis no aplicativo ESPN.

Modalidades no
Summer X Games:

Motocicleta

  • Moto X Super X
  • Moto X Speed & Style
  • Moto X Best Whip
  • Moto X Best Trick
  • Moto X Freestyle
  • Moto X Enduro X
  • Moto X Step Up
  • Moto X Adaptive

Rally

  • Rally Car Racing.
  • Rally Car SuperRally.

Skateboard

  • Big Air!
  • Vert
  • Park
  • Street
  • Best Trick

BMX

  • Freestyle Vert
  • Freestyle Park
  • Freestyle Street
  • Freestyle Big Air

Fonte:
ESPN, Wikipédia

 No dia 8 de maio, às 15h, vai rolar uma live sobre a maternidade e o skate no YouTube do @divaskateras sobre os temas:

• A solidão materna

• A mãe e o mercado de trabalho

• A mãe e o retorno à sociedade enquanto mulher

  Com as convidadas: Tat Marques , Rayane Oliveira, Hanna Carneiro e Gabriela Lobato

com mediação da Renata Oliveira.

 

 Com mediação de Renata Oliveira @renataoliveira .

Arte: @tat_marques

Veja a live aqui:

Para chegar ao patamar mais alto do skate é preciso dedicação, muita dedicação. Horas, dias, anos de treinos (e muitos tombos). Praticar qualquer outra atividade além do skate é um desafio e tanto, mas há quem consiga se sair bem também em um segundo esporte. Lembramos aqui de 4 skatistas que são boas em outras modalidades.

fonte: Red Bull 

Leticia Bufoni

Leticia era tão boa no futebol quanto no skate. Até chegar o momento de decidir entre os dois esportes. O tema foi até abordado na série Until 18 (assista no player abaixo). “Foi o momento que eu fiquei mais confusa na minha vida”, diz Leticia sobre a escolha. “Eu queria muito jogar futebol profissional, mas eu também queria conseguir viver do skate”, lembra.

Cara-Beth Burnside

 Ela entrou para a história por ser a primeira mulher a estrelar a capa da prestigiada revista “Thrasher”, em agosto de 1989. Em 2003, realizou outro feito inédito ao assinar um modelo de tênis pela Vans. Mas os feitos da Cara-Beth não param por aí: ela também foi membro da equipe de snowboard dos Estados Unidos e quase foi ao pódio nos Jogos de 1998, em Nagano. Terminou em quarto lugar.

Yndiara Asp

Outra skatista brasileira do primeiro escalão mundial, Yndi é conhecida pela potência nas transições, além de conseguir transferir as habilidades e o flow do concreto para as ondas. “Eu agradeço ao surfe por permitir me conectar com a natureza de uma forma tão única”, diz.

 
Yndiara surfando

Lyn-Z Pastrana

Lyn-Z Pastrana, é uma das melhores do mundo no skate vertical e casada com Travis Pastrana, um ícone do esportes a motor. Foi a primeira mulher a dar um 540 ( veja aqui ). Juntos, o casal gosta de andar de bicicleta em picos incríveis e inacessíveis, onde só é possível chegar de helicóptero.  

Luddy Lourenço agora faz parte da Amee Skate Arte!

Luddy Lourenço, 21 anos de idade, skatista há 5 anos e local Brasília – DF.⁣⁣
Um estilo único, discreto, que gosta de andar na borda e já é nítido sua paixão pelo carrinho e pelo life style que o skate proporciona.
⁣⁣

video de boas vindas editado pelo @joaolucasrt

O que o skate significa pra vc?
Luddy: Meu estilo de vida, algo que eu tenho certeza que quero viver. Subir no skate e só pensar na manobra e no pico onde quero andar, encontrar os amigos e fazer amizade nova.
Saber que você pode mais a cada dia e superar algo que alguém diz ser impossível, significa minha vida!

Quais manobras você mais gosta de mandar? 
Luddy: Nollie BS big spin, fifty saindo tudo out ( hahah ) e halfcab noseslide.

Pico do sonho?
Luddy: Andar na gringa, LA. 

O que vc enxerga para o futuro?
Luddy: Muita evolução, lançar minha vídeo part e poder estar andando lá fora.


Edição : @joaolucasrt 
Músicas:  @joaofavilla @alanaamonteiro @umn0rmal 
Filmagem: @anaclaradsr .

fakie 50-50 . Foto @bethaniasou
fakie 50-50 . Foto @bethaniasou
Ollie sobre o hidrante na Av.Paulista -SP- Foto @anaclaradsr

Por: Amee Skate Arte

Há tempos o skate luta pela igualdade de gênero, sexualidade, raça, classe e vemos mais liberdade em relação a diversidade dentro do skate e isso abre uma infinita possibilidade de como expressar a criatividade dentro dessa nossa cultura tão plural.

O skate é inclusivo.

Algumas marcas fizeram campanha para essa igualdade como é o caso da Nike com a Lacy Baker que hj é Léo Baker  e com alguns skatista assumindo a sexualidade, skatistas respeitados e com muito nível e história dentro do skate e da Vans com o querido skatista lendário Jeff Grosso que faleceu esse ano mas deixou muitas mensagens sobre inclusão dentro do skate.

Leo Baker ( Lacey Baker) e o skatista profissional Brian Anderson em campanha por igualdade da NikeSB

— Veja a coleção “orange label” que o Leo Baker fez pra Nike aqui

O skatista Brian Anderson

 

O Vans ‘Loveletters To LGBTQ+ que foi filmado no início deste ano (2020), antes da morte do lendário skatista e apresentador Jeff Grosso, que era um campeão do skate inclusivo.

Love Letters da Vans

 

Assista o video:

Leo Baker x Nike

AMEE

 

Veja materias sobre o skate feminino aqui

Conheço a Karen Jones há uns 16/17 anos e o que sempre me chamou à atenção foi a criatividade, multiatividades e o foco que tinha em seus diferentes objetivos. ⁣

Influência pesada na propagação do skate feminino com suas inúmeras aparições em revistas, tvs (já foi entrevistada pelo Jo Soares) e em propagandas. 1ª campeã mundial no vertical, representante brasileira do skate feminino em campeonatos dessa categoria, quando ainda estava em expansão.⁣

Lembro quando a vi acertar pela primeira vez um Bs Flip Indy, no half do Mineirinho (2005/2006), foi ali que eu tive certeza que o feminino no Brasil não ia ter limites. ⁣⁣
Lançou seu novo EP – O pequeno Excesso que você escuta clicando aqui.

Texto: Tat Marques
Para : Divas Skateras

 

Lançando seu EP


Acompanhem a entrevista da multi artera Karen Jones e suas artes atuais.⁣

DVS – O skate pra você é?⁣
Um caminho.⁣

DVS – Qual é a sua arte?⁣
Atualmente música.⁣

DVS – O que te fez seguir neste estilo?⁣
Faz muito sentido pra mim escrever e tocar. Desde que tive acesso a programas de gravação de áudio, fui fuçando, explorando sons, empilhando melodias. ⁣

DVS – Qual a relação do skate com a sua arte?⁣
A música faz parte do dia a dia, e escrever sobre também. Eu sofri muitas desilusões amorosas, poucas dentro do skate até. No fim das contas, acabo falando de sentimento. Acho que o skate influencia na maneira como vejo o mundo, as pessoas que tenho contato e como sou moldada por tudo isso também. Tive oportunidade de viajar, conhecer muitas culturas e acho que isso acaba refletindo no que produzo.⁣

DVS – De onde veio e vem a inspiração?⁣
Vou falar mais sobre a fase atual, senão vai virar um livro, rs. Acho que vem da simplicidade. De não complicar, de fazer “sem pensar”, sem deixar enroscar. Eu tenho tendência a ser perfeccionista e obsessiva. Então coisas minimalistas, descomplicadas e leves tem sido minha inspiração.⁣

 

Karen Jones- Foto @eduardobraz74

DVS – Você é multitalentosa: escreve, canta, toca, desenha, pinta, cozinha, é mãe e ainda anda de skate. Como consegue conciliar tudo isso?⁣
Não consigo né meu bem. Antes de ter filho eu tinha uma certa organização, além de privilégio. Eu tive muitas oportunidades que a maioria não teve. Sou branca, de uma família classe média e isso, por si só, já responde muitas coisas ao meu ver. Mas mesmo dentro desse contexto sempre usei meu tempo nas coisas que eu gostava, como desenho, música, escrita, nunca curti muito sair à noite por exemplo e sou um pouco anti-social. Aí acabava sobrando mais tempo para essas outras coisas, hehe. ⁣

Leia também a entrevista da artera – Vitoria Bortolo


DVS – Para você qual a importância da manifestação artística na vida e no skate?⁣
A arte expressa aquilo que a gente não pode explicar com o racional, com a mente, é um tipo de linguagem que para mim fica com 50% de responsabilidade de comunicaçã, hahaha. ⁣
É o que nos nutre de maneira profunda, nos conecta com o que não conseguimos expressar. No skate eu penso no skatista, que já é alguém que rompeu um pouco com coisas tradicionais. Pra esse cara (mina), faz muito mais sentido abraçar a arte junto com o skate, porque skate sem arte é tipo um corpo sem alma, uma carcaça sem vida.

 

 

DVS – Você tem muita experiência e vivência no skate feminino. E na sua opinião o que vc acha da atual cena do Skt feminino e o que falta para a profissionalização das Skatistas tanto em campeonatos como produtoras da própria cena ( Filmakers, produtoras, fotógrafas, e etc)?
Eu venho falando disso a algum tempo já toda vez que me perguntam o que falta pro skate feminino…e a primeira coisa na minha opinião é oportunidade abrangente. Abertura pras minas negras, pras mães, pras menos favorecidas financeiramente. A gente consegue melhorar isso com atitudes desde os campeonatos grandes não cobrarem uma fortuna pra inscrição, as mídias abrirem esse espaço pra contar as histórias, as marcas patrocinarem minas, e minas fora do padrão. Eu sempre tentei usar meus privilégios para conseguir coisas pro skate feminino, talvez não tenha sido o suficiente, eu entendo, mas vou continuar usando e não vou descansar até ver que melhorou o que as minas merecem..
Eu acho que aquelas que tão bem no game tem que usar a influência pra trazer o máximo de outras meninas com potencial pra perto, dentro do possível. Digo isso por constatação prática…desde a primeira capa da Tribo que fiquei enchendo o saco dos editores por meses até eles cederem a botar uma mina na capa, inúmeras skateparks que consegui mostrar o quão importante era uma sessão só de mina de graça ou pagando menos, até a igualdade da premiação em nível mundial vindo de um posicionamento apoiado por um grupo forte. Se nós não tivermos ali, ninguém vai fazer por nós…
Acho importante tb nos conectarmos de vdd e nos apoiarmos dentro do possível. É claro que as vezes vc nao se da bem com alguém e faz parte. Mas eu acredito que não adianta fazer discurso de inclusão e não ser acolhedora umas com as outras na prática. Eu mesma já fui muito mais fechada do que sou hoje em dia, e faz parte também do amadurecimento de cada uma se dar a chance de aprender. Hoje eu não consigo estar numa sessão com outras minas e não querer proporcionar um momento legal pra todo mundo. Então eu acho que passa por atitudes simples, o que tá ao seu alcance… desde um sorriso, ajudar com uma peça, somar nas idéias, exigir que a marca que te patrocina faça mais coisas relevantes pela categoria, contrate profissionais mulheres (principalmente negras), etc.. To falando isso e anotando aqui pra mim mesma tb pra jamais deixar passar!

 

DVS- um recado para as Skatistas?
Eu queria dar um recado não so pra skatistas mas pras minas que giram em torno do nosso universo. Primeiro é: pesquisem a história do skate, saibam quem veio antes de vocês e honrem essas mulheres. Todas foram importantes pra termos a liberdade que temos hoje. Não foi do dia pra noite e skate não começou em 2008!
Se vc é fotografa, video maker, COLE com as minas do skate! A gente PRECISA de foto, de material, e vc quer aprender a filmar/fotografar skate é bom pra todo mundo! Eu faço isso direto, mando inbox pra minas que eu curto o trampo e peço ow, vem me fotografar? Vamos trocar? Já aconteceu várias vezes deu levar até essas minas pra dentro de marcas, fazermos trabalhos juntos e ser incrível.
Criem, não tenham medo… façam sua arte. Desenho, colagem, rima, poesia, moda. E não tenham medo de errar, de ficar ruim, de ter que provar algo… E troquem muito, colaborem. O skate precisa de designers, estilistas, fotografas, DJS. Se juntem, façam eventos, zines, músicas, zueiras. Pra mim é indiscritível o poder que 2 ou 3 minas juntas fazendo uma parada verdadeira tem.
Esse é mais pra quem tá chegando agora..vcs vao ver muito skate na tv daqui pra frente e eu quero que vcs saibam que skate NÅO é só aquilo. Aquilo é uma parte, relevante, mas é pra uma meia dúzia… a realidade de 99% não é essa e ninguém é menos legal por isso, aliás, tem muita gente que nunca correu um campeonato na vida que entende muito mais o que é ser skatista do que quem tá aparentemente “bem sucedido”. Se mantenha fiel ao seu principio e toda vez que tiver insegura ou tiver duvida se lembre porque diabos foi que vc começou a andar.

Fotos: @eduardobraz74 / arquivo pessoal da karen Jones
Texto: Tat Marques ( @tat_marques )

#divasskateras #skatefeminino #skatefemininobrasil #skatebrasil #skatearte #arteras

 


 

Arteras é um espaço de entrevista com as skatistas ( mulheres ) que praticam a arte alem do skate. Artes como: pintura, design, música, edições em videos, dança, literatura, moda entre outras tantas formas de expressão artística no instagram do Divas Skateras feito pela skatista e fundadora da Amee Skate Arte Tat Marques no intuito de informar e inspirar as pessoas com as diversidades dentro da cultura do skate .

Divas Skateras é um projeto idealizado pela skatista de Cuiabá Estefânia Lima, desde 2006, para promover e unir as skatistas de diferentes lugares do Brasil. Produziu grandes eventos como o encontro de skate feminino simultâneo no Brasil ” Divas Session” e o vídeo ” We Can Do It ” só com mulheres.

A mineira Cachorro Molhado Crew lança seu novo vídeo “CHRIS e GREG numa quarta-feira de cinzas” . Filmado numa quarta-feira de carnaval, o vídeo marca uma nova fase na produção do grupo e ainda constrói uma atmosfera reflexiva e melancólica condizente com nossos tempos atuais. Fizemos uma entrevista com as pessoas envolvidas no projeto, confira: 

 

Texto por: João Lucas Teixeira (@joaolucasrt @woskatearte)

 

J- É difícil entrevistar amigos, melhores amigos é ainda mais difícil. Eu sentei com Max Souza, músico multi-instrumentista e um dos skatistas do vídeo, para conversar nosso último projeto e reencontrar um amigo numa tarde chuvosa, perfeita pra ocasião. Com guitarra na mão e sorriso no rosto, falamos do projeto, da nossa trajetória nesses tempo pré-pandemia, sobre o como a arte está se transformando na pandemia e no o que isso significa para nós skatistas-artistas.

PARA QUEM NÃO ASSISTIU: 

 

J- Pra começar, quem é o Max Souza? A pessoa, o músico e o skatista.

 

M- Quem sou eu? Legal essa pergunta. No início, antes do skate, aquela coisa de infância pra adolescência eu era o Maxwell, um músico dedicado, desde muleque eu já tocava bateria, guitarra na igreja em que minha família frequentava. Daí veio essa febre de ver os caras andando de skate na calçada de casa, o “rolimã que não parecia rolimã”. Quando eu penso no início eu penso nisso, na pré-adolescência quando a mente foi começando a abrir, quando comecei a tomar uma noção de mundo, abri os olhos pros detalhes. Depois disso eu saí da igreja, vi um skate na papelaria, quase que naquela ideia de montar uma bateria (risos) Eu estudei, fiz minhas coisas e consegui comprar o skate. A partir daí as coisas tomaram um rumo, eu conheci a galera, comecei a andar de skate. Nesse momento eu fui morar muito perto da pista de skate, e tinha um movimento grande de skate na minha rua, então eu sempre tava andando. Eu tinha uma amigo que morava perto da minha casa, a gente sempre jogava muito tony hawk e acabamos juntando pra andar. Esse meu amigo nunca me deixava sem skate pra andar e partir daí o skate começou pra mim. Fui arrumando uns trampos, comprando peças e fui entrando nesse mundo, depois que eu descobri o freestyle, influenciado pelos grandes mestres, eu fui achando essa liberdade pra me expressar no skate. Não era sobre manobras, mas essa visão diferente, de ser algo natural, prazeroso.  Isso me influenciou muito na música para continuar tocando e experimentando.

 

VIDEO SKATE ARTE - “CHRIS e GREG numa quarta-feira de cinzas”
Max gravou a música do vídeo no mesmo dia da gravação das manobras na área de sua casa antes de sair pra filmar. Foto: João Lucas Teixeira

 

J – De onde vem o CHRIS e GREG que dá nome ao vídeo?

 

M- Eu não lembro os detalhes, mas um dia eu trombei com um cara com uma bike laranja empinando a bike no meio da rua. Eu nem sei se ele sabia o que era skate e eu pra lá e pra cá assim, de repente aconteceu esse encontro. Aí foi eu na casa dele, ele aqui em casa, a gente trocava uns games como se fosse figurinha… e ele me aparece com um skate. O rolê era constante e um dia minha mãe apareceu com essa coisa do Chris e Greg aqui em casa. Nisso já tem quase uns 8 anos que já tem esse Chris e Greg (risos). A gente ia pra aula de skate, pra andar de skate, saí da aula passava em casa pra almoçar e já saia pra andar de skate de novo. E olha nessa época um nem gostava de ir pra escola. (risos)

 

VIDEO SKATE ARTE - “CHRIS e GREG numa quarta-feira de cinzas”
O Greg (João Lucas Teixeira) pelas ruas de Rio Pomba – MG. Foto: Max Souza

J- Eu (Greg) e sua mãe já tínhamos até um combinado, que cê precisava de companhia pra poder ir pra aula e eu precisava de companhia pra andar de skate na escola. (risos) saudades dessa época. A partir daí foi um momento que a gente parou e começou a começou a pensar que a gente podia fazer conteúdo de skate de qualidade e acho que dessa fagulha foi nascendo a ideia tantos desses artista que viemos nos tornar tanto do que hoje viria ser a crew (Cachorro Molhado). Como você vê essa sua relação do seu skate com a sua música?

 

Max – Essa época foi importante pra mim porque foi quando eu comecei a levar essa coisa da música mais sério, eram 3 coisas, ir pra escola, andar de skate e tocar. Essa rotina foi me acompanhando, fui tocando mais guitarra, tirando as músicas do Guitar Hero, aquelas playlist de música de vídeo de skate que cê me passou e sempre intercalando rolê e tocar. Eu encontrei as pessoas (da CM) e fui criando amizades, que até hoje existem e foram se fortalecendo. Nessa mesma época eu fui convidado para tocar num show e isso foi crescendo no que virou essa vida de músico profissional. Eu estar tocando pras pessoas foi ficando confortável, essa coisa de apresentar era como se fosse a sala de casa e o skate me ajudou muito nisso, as metas que eu trazia do skate me ajudavam a lidar com os desafios da música.

A persistência, essa sensação de liberdade. Eu não me vejo nessa timeline da minha vida agora sem o skate. Isso me possibilitou muitas coisas.

 

J – Como foi o processo de gravação do CHRIS e GREG?

 

O dia da gravação não tava propício pra andar muito ou tocar muito. Eu tinha feito 8 ou 9 shows no carnaval (Max é Baterista numa banda atualmente) e com uma mudança pra fazer no dia seguinte não ia dar pra andar de skate freneticamente (risos). Você passou lá em casa, gravamos a música e saímos de lá pra andar. Não foi a  vontade de gravar skate ou de tocar que fez isso acontecer, foi a vontade que a gente tava sentindo na hora, de se conectar, de aproveitar o momento que a gente tinha e registrar isso. É uma forma que a gente encontrou de compartilhar esse sentimento daquele dia. Essa dia ganhou vida. Um dia cinza com gotas d’água caindo nas poça. Ganhou muita vida.

 

J- É um contraste tão grande do que naquela época e até o que a gente tava vivendo pouco antes da pandemia, essa liberdade, esse estar fora de casa. Como cê tá lidando com esse afastamento social e quarentena?

 

M- Eu sempre tive essa coisa de me inspirar nos acontecimentos do dia-a-dia para tocar, a música acompanha a vida. Nessa fase que a gente tá vivendo agora parece que deu uma travada nisso, até porque a gente tem que passar ver a coisa com outros olhos ou as vezes por uma tela ou só fragmentos de algo. Parece que minha mente ficou mais sensível para a estética da coisa, as sensações. Sempre pensava coisas em blocos, saía do rolê e ia pra casa pensando numa música, chegava e mcasa e tocava a música. Hoje em dia, como não tem esse fluxo do rolê, eu vejo as coisas e vejo formas, imagens, filosofia e tento entender o que aquilo quer dizer. Outro dia eu saí aqui no portão de casa e olhei pro céu, eu nunca tinha visto tanta pipa no céu. Era uma coisa linda, o céu azulzinho e aquele tanto de pipa colorida, na hora eu imaginei uma capa de álbum. Confesso que estou meio distante de estudar técnicas e práticas novas porque não estou tendo shows para tocar, mas estou pesquisando músicas, artistas e vendo essa experiência geral assim, a partir de quem está escutando e não tocando. Foi uma troca de perspectiva assim.

 

VIDEO SKATE ARTE - “CHRIS e GREG numa quarta-feira de cinzas”
Um momento lindo e sincero nas gravações do vídeo Foto: João Lucas Teixeira

J – Você acha que nós como artista talvez teríamos de usar esse tempo para estudar coisas fora de sua área, pra explorar mais e unir esse momento que estamos fechados em casa a uma pesquisa sobre como nos tornar artistas e pessoas melhores para com a sociedade?

 

M – Na minha visão, como artista, estamos sempre num meio termo, um muro, de sair da sua zona de conforto para a criação e ao mesmo tempo nos sentindo estagnados. Eu to passando pela fase da estagnação. Fico meio perdido pra produzir, o que vou estudar me sentindo com muito tempo ou até sem tempo, talvez porque a gente recebe muita informação o tempo todo. Isso é o lado ruim, agora o lado bom, é que talvez com essas coisas o artista se sinta mais inspirado pra fazer mais coisas, estudar mais coisas, se informar mais sobre o que está fazendo ou sobre os detalhes do que está fazendo. Acho que vamos ficar mais sensíveis um ao outro e que isso pode ajudar no futuro. A arte é sobre quem vê, não só sobre quem faz. Na arte tudo importa, assim como no mundo, as pessoas importam cada uma delas e precisamos ter isso na cabeça pra montar um futuro melhor. Nosso vídeo mesmo foi uma coisa que eu achei que traduz essa sensação, dessa atenção dos detalhes pra mostrar um universo, e aquele dia ganhou vida, registrado pra sempre. Talvez seja uma boa hora pra eu te mandar um texto que uma amiga minha me mandou sobre o nosso último vídeo logo depois de ter assistido:

 

“Mas dá uma melancolia na gente essa música, faz a gente ficar olhando vocês andando de skate como se fosse a nossa vida passando. Os momentos bons, os erros, os acertos; assim como vocês com seus movimentos no skate. Quando tem hora que quase dão de cara com um carro kkk parece quando a gente dá de cara com uma situação ruim mas aí vocês saem sorrindo depois. Quando vocês acertam, vocês sorriem o dobro. Talvez fique essa lição sobre sorrir, sempre sorrir…” – Jôvania Alves 

 

J- Com essa linda declaração terminamos a entrevista. Muito obrigado Jôvania e Max pelas palavras, obrigado Amee Skate pelo espaço pra falar e expandir esse universo do Chris e Greg. Sigam a CM @_cachorromolhado e o Max Souza @maxsouza_dr no insta para acompanhar a crew e o trabalho do artista!

Até a próxima galera, fiquem em casa e lavem as mãos!

Mais post do João : Collab Amee x Grão

#skatearte

 

O que é?

Surgindo em 2016, Slides & Grinds é um campeonato de skate homem a homem com manobras de borda. Serão 32 skatistas na primeira fase, 16 amadores e 16 profissionais. Passa no canal do youtube Sobre Skate  feito pelo Abe, o mesmo que apresenta .

É em um formato de Game Of Skate só que na borda ( palco). O Game Of Skate ficou mais popular com as batalhas do Berrics.

As Regras
1) Slides & Grinds é um jogo de manobras na borda homem contra homem.
2) não pode colocar as mãos no chão.
3) não pode pegar o skate com a mão.
4) não pode colocar o pé no chão.
5) não pode cair em 90º, parar e logo seguir.
6) o jogo começa com os 2 skatistas escolhendo entre Slides ou Grinds na moeda.
7) ganha quem fizer o adversário completar a palavra Slides ou Grinds conforme escolhido na moeda
8) qualquer manobra precisa ser escorregada no mínimo 40cm
9) Cada skatista tem direito a uma oportunidade para passar vela na borda durante o jogo.
10) as manobras precisam ter contato com as quinas da borda incluindo os combos.
13) alternar obrigatoriamente entre manobras de truck(grinds) e shape (slides) quando estiver puxando as manobras.
11) quem puxa tem direito a 01 tentativa, quem copia manobra tem direito a 02.
12) na letra final quem puxa tem direito a 01 tentativa e quem copia tem direito a 03

As batalhas estão rolando em confrontos semanais, transmitidos no canal Sobre Skate do YouTube.

O feminino estreia no game

Em 2018 teve pela primeira vez o feminino, que no caso, é no formado de best trick entre mulheres amadoras e profissionais. A ultima batalha foi em formato jam session. Você acompanha as batalhas no canal Go Skate do Youtube.


Porque  surgiu?
Cientes da escassez de competições de alto nível que garantam aos patrocinadores uma entrega expressiva no âmbito digital, a Dabba ( co- produtora) se uniu aos criadores de conteúdo da SAT e o Youtube Space para planejar, executar e comercializar um campeonato de skate projetado para os padrões de comportamento das novas gerações.

Com este desafio em mente surgiu o Slides & Grinds, uma competição transmitida ao longo de dois meses no canal Sobre Skate e amplificada através do conteúdo complementar produzido pelos canais parceiros .(Fonte: Dabba )

 Slides & Grinds 4

publicado no dia 26 de maio de 2020 com Kauê Cossa e Pedro Iti. O vencedor foi para a semi final. Lembrando que o Kauê Cossa foi o campeão do Slides & Grinds do ano passado.

 

Por: Amee Skate Arte

 Texto feito pela Tat Marques ( @tat_marques) para o @divaskateras


@vitoriabortolo tem 23 anos e 12 de skate (mais da metade da vida andando de skate). É de Barretos, interior de SP e é a skatista da nova geração que mais se destaca na cena não só por seu estilo único e alto nível de skate mas também pelas suas colaborações com textos e ilustrações para a revista @cemporcentoskate e sendo intermediadora de podcasts da @blackmedia. Ela também foi capa da edição 214 da revista cemporcentoSKATE no ano de 2019, após anos sem uma menina na capa. Acompanhe a entrevista dessa multi artera.⁣

DVS – O skate pra você é…⁣
Essa é uma pergunta muito perguntada, notei que sempre a respondi de um jeito diferente do que da última vez. Nesse contexto, gostaria de resgatar uma lembrança de algo que alguém importante me disse uma vez: “Só gente bem resolvida sabe dizer o que faz nos domingos”. Dentro de minhas compreensões, conseguiram em uma frase pequena, tratar de questões gigantes de esclarecimentos e singularidades das pessoas.⁣
Skate, além de ser minha preferência dentro das minhas coisas preferidas, é minha principal ferramenta de fazer perguntas e achar respostas, skate é minha lupa.⁣
Aos domingos, assim como no resto dos dias da semana, eu prefiro andar de skate.⁣

foto: Anairam ( @anairamdeleon)

 

foto: @allancarvalho para edição #214 da revista @cemporcentoskate

DVS – Qual é a sua arte?⁣
Olha, eu sei fazer imitações de 98% das pessoas que conheço, @britneyscrew e companhia quem o diga (hahaha).⁣

artes- Vitória Bortolo

DVS – O que te fez seguir neste estilo?⁣
Brincadeiras à parte e complementando a pergunta anterior, existe duas formas de se responder a essa pergunta. Profissionalmente/genericamente, me conduzo segundo as demandas, estando sempre consciente do por que e para quem estou fazendo, então nesse contexto, sou mais um camaleão do que eu mesma. Desculpa universo, parte de mim é uma publicitária que só quer saber dos trampos aprovados, aprendi do jeito difícil que minhas convicções não entram em jogo quando você trabalha para alguém. Individualmente (e é a partir daqui que a resposta fica legal) dispenso os mapas e sigo um caminho até a caverna do meu coração para descobrir o que andei cozinhando por ali (hahaha). Troco meu papel de camaleão por minhas singularidades que são variadas e imprevisíveis. Quando crio, escrevo ou ilustro sem pretensões, minhas consequências são sempre diferentes. Então, leitores e leitoras, que duraram até aqui: Me perdoem a redundância, no final das contas, não tenho pré-estética ou pré-assuntos para tratar antes de aparecer com a coisa pronta.⁣

Arte- Vitória Bortolo

DVS – Qual a relação do skate com a sua arte?⁣
O skate me refinou. Metaforicamente e literalmente, é ele quem me transporta para os mais variados universos. Com meu skate, remo colhendo referências por aí.⁣

DVS – De onde vem a inspiração?⁣
Do que me passa.⁣

Capa da revista 100% Skate (@cemporcentoskate ) edição #214 – foto: @allancarvalho

DVS – Quais são suas músicas preferidas na HR da arte?
Gosto dos instrumentais do Angelo Badalamenti, gosto da pegada de Massive Attack, Tricky, Lovage, Smoke City e mais 10 linhas de grupos de trip-hop. Caso vocês gostem da ideia de ‘’skate é arte’’, nas sessões permeio entre pós-punk, uns sonzinhos flashbacks como Tears for Fears, Naked Eyes e Blondie, os alts como The The, House of Love, Sonic Youth, Jesus and Mary Chain, The Cry e etc. E antes que eu seja xingada por ignorar a existência de música nacional, peraê: Vai de Evinha a Metá Metá, tirando o fato de que minhas amigas cariocas já me ensinaram a escutar funk 150bpm.⁣

 

DVS – Para vc, qual a importância da manifestação artística na vida e no skate?⁣
É nessa pergunta que vou ter a atitude escrota de responder com uma frase pronta que não é minha (hahahah). ‘’A arte foi feita para perturbar, a ciência tranquiliza’’. Não se precisa dizer muito mais que isso né? Foi Georges Braque quem disse.⁣

DVS – Quais artistas te inspiram?
Inumeráveis.⁣

 

 

—– Ja viu o novo shape da AMEE  com o desenho do artista plástico Flavio Grão? Clique aqui para saber como foi o processo da arte.

 


#divasskateras #skatefeminino #arteras

———

 

InteraDivas é um espaço de entrevista com as skatistas ( mulheres ) de diferentes gerações, estilos e nível técnico no instagram do Divas Skateras feito pela skatista Tat Marques no intuito de informar e inspirar as pessoas com as diversidades das  histórias.

Divas Skateras é um projeto idealizado pela skatista de Cuiabá Estefânia Lima, desde 2006, para promover e unir as skatistas de diferentes lugares do Brasil. Produziu grandes eventos como o encontro de skate feminino simultâneo no Brasil ” Divas Session” e o vídeo ” We Can Do It ” só com mulheres.

Pin It