Author

Amee Skate Arte

Browsing

  Para quem estava com saudades das Olimpíadas e de ver os medalhistas Olímpicos Rayssa Leal e Kelvin Hoefler vai curtir vê-los novamente no Street League ( SLS), o campeonato mais clássico do skate street, nos dias 27 e 28 de agosto de 2021 na cidade Salt Lake com grandes nomes do skate mundial e com os brasileiros: Pamela Rosa, Leticia Bufoni, Marina Gabriela, Gabriela Mazeto, Luan Oliveira, Carlos Ribeiro, Gustavo Felipe, Tiago Lemos, Lucas Rabelo e Filipe Mota…. Timinho pesado!!

 

   O campeonato vai passar nas plataformas da Globo ( Globo Play e SportTv2 ou 3).
 Sabiam que o modelo de competição usado nas Olimpíadas foi tirado do Street League?

Pista do Street League feita pela empresa brasileira CaskateParkBrasil

 

 

 

 Sobre o SLT

Street League Skateboarding (SLS) é uma competição  de skatistas profissionais na modalidade street. A competição é a primeira do mundo neste formato de 3 voltas de 40 segundos e 5 melhores manobras , o best trick. Inclusive foi este formado que foi adotado pelas Olimpiadas.
  Fundada em 2010 pelo skatista americano Rob Dyrdek, é um dos maiores campeonatos de skate do mundo.

A empresa Thrill One Sports and Entertainment é a atual proprietária da Street League Skateboarding.A empresa de desenvolvimento de conteúdo envolvida no meio esportiva, estando também relacionada em projetos que visam o estilo de vida.[3]



Por : AMEE Skate Arte

E começa o primeiro “Trocas de Base” programa de entrevista da Amee Skate Arte em parceria com a WOArte apresentado pelo skatista e editor João Lucas Teixeira.

Recebemos Rafaela Catarina e Luca Tuã da companhia catarinense de circo Cia Circo-íris para uma conversa sobre o trabalho deles que une skate, circo, teatro e trabalhos sociais. 

Conversamos sobre a história e projetos atuais da Circo-íris, a escolinha de skate da companhia, que tem maioria feminina e rompe paradigmas numa cidade do interior do SC, sobre a importância da arte na sociedade e como nós artistas podemos nos organizar para a construção de um mundo melhor, mais justo e com mais igualdade.

Batemos um papo também sobre o “Alimente Nossa Graça”, projeto de financiamento coletivo da companhia e sobre a situação atual da cultura no Brasil e da realidade dos trabalhadores da cultura que sofrem com o isolamento, pandemia e desmonte das instituições de apoio e fomento à cultura.

Assuntos abordados:

01:07 – História da Cia Circo-íris

5:06 – O skate no cotidiano da companhia

13:45 – A escolinha de skate da Cia Cio-íris e as mudanças que o skate traz pra sociedade em que ele está inserido

15:42 – Trabalho comunitário e parcerias entre artistas e comunidade para um mundo melhor

22:55 – Dificuldades dos trabalhadores da cultura, artistas de rua num cenário pandêmico e Lei Aldir Blanc

32:00 – Evento Circo na Rua e importância do investimento e mobilização nas estruturas que mantém as cenas culturais

41:00 – “Alimente Nossa Graça” projeto de financiamento coletivo da Cia Circo-íris

51:42 – Futuro da Cia Circo-íris

Palhaça Pechincha e Palhaço Grapixo em seu (atual) habitat natural, a sede da Circo-íris em Canelinha-SC.
Foto: Isadora Manerich
Mudando o mundo através do skate, o Palhaço Grapixo de Luca Tuã, trabalha com o skate como instrumento de palco, de performance, como algo múltiplo e resignificado. Foto: Acervo Circo-íris
Evento Circo na Rua realizado pela companhia. Foto: Isadora Manerich
A escolinha de skate da Cia Circo-íris tinha maioria de alunas meninas! Hoje a escolinha ainda não voltou às atividades pelas dificuldades da pandemia, mas os skates estão com os alunos, que continuam praticando em casa por conta própria. Foto: Acervo Cia Circo-íris.
Os tempos atuais não estão fáceis para os artistas, temos que nos multiplicar pra arcar com todas as demandas do teletrabalho, a palhaça Pechincha da Rafaela Catarina fotografada por Isadora Manerich
Foto por Isadora Manerich 

COLABORE com o financiamento coletivo da Cia Circo-íris:
Clique e ajuda

www.ciacircoiris.com.br/alimentenossagraca

Links:

Cia Circo-íris:

site: www.ciacircoiris.com.br/

insta: www.instagram.com/ciacircoiris/

facebook: www.facebook.com/ciacircoiris

Confira a programação do Circo na Rua 2021:
Clique Aqui

Siga a Amee nas redes sociais:

insta: www.instagram.com/ameeskate/

facebook: www.facebook.com/AMEEskate

Siga a WOArte nas redes sociais:

insta: www.instagram.com/woarte/

Produzido por Amee Skate Arte e WOArte

Roteiro, apresentação e edição:

João Lucas Teixeira – insta: @joaolucasrt

Arte Gráfica:

Tat Marques – insta: @tatmarques

WOArte – insta: @woarte

Agradecimentos:

Isadora Manerich – insta: @isadoramanerichfotografia

Amee Skate Arte – insta: @ameeskate

Cia Circo-íris – insta: @ciacircoiris

Entre muitas discussões e reprovações do skate nas Olimpíadas eis que chegou o momento: O skate esta nas Olimpíadas e ainda é a promessa de ouro para o Brasil!

As Olimpíadas em Tóquio 2021 vai ter sua estreia ( cerimônia ) no dia 23 de julho as 8h da manhã e o skate vai ser no dia 25 de julho as 9h ( horário do Japão) .Vai ser transmitido nos canais da Esport Tv e na Globo.

Mas quem são os skatistas que vão participar?

Esta dividido em 2 modalidades: o street e o park e cada modalidade terão 6 skatistas ( 3 masculinos e 3 femininos) no total de 12 skatistas profissionais!

Na modalidade do Street :
_ Leticia Bufoni – SP
_ Pamela Rosa -SP
_ Rayssa Leal – MR
_ Kelvin Hoefler – SP
_ Felipe Gustavo (Bochecha) – DF
_ Giovanni Vianna – Santo Andre- SP

Na modalidade Park :
_ Yndiara Asp – SC
_ Dora Varela – SC
_ Isadora Pacheco – SC
_ Pedro Barros – SC
_ Luiz Franscisco
_ Pedro Quintas

Qual a principal chance de medalha do skate brasileiro?

O street feminino é o grande carro-chefe do Brasil nessas Olimpíadas e principal modalidade com chance de medalha. O país conta três skatistas entre as quatro melhores do ranking: Pamela (1º), Rayssa (2º) e Leticia (4º). As três possuem chance de pódio, embora seja complicado que as três conquistem medalhas.

O street masculino brasileiro tem como principal candidato à medalha, Kelvin Hoefler, o então quarto colocado no ranking mundial. Ainda compõem a equipe os atletas Felipe Gustavo e Giovani Vianna, mas 17º e 19º no ranking, respectivamente.

Por outro lado, no park feminino, o brasil é composto por Yndiara Asp, Isadora Pacheco e Dora Varella. Ambas não chegaram à final do Mundial de 2021, mas podem ser surpresas na competição. Dora Varella é a melhor posicionada no ranking, em 9º. Isadora Pacheco é a 11ª, enquanto Yndiara Asp está em 14º.

Por fim, no park masculino, o Brasil também surge como um fortíssimo candidato à medalha. O país terá Luiz Franscisco e o multicampeão Pedro Barros, que então ocupam terceiro e quarto no ranking, respectivamente. Completa a equipe o skatista Pedro Quintas, bronze no Mundial de 2019, mas atual 10º colocado do ranking.



Por: Amee Skate
Fontes: CDI
CBSK
Canal OFF

Leticia Bufoni, Nyjah Huston, Sky Brown, Bryce Wettstein, Tiago Lemos, Dennis Enarson and Jackson Strong são alguns dos atletas a participarem dessa edição de 14 a 18 de julho de 2021 pela ESPN.
O X Games é o evento mais respeitado no universo dos esportes radicais sendo considerado a “Os Jogos Olímpicos dos esportes radicais”. E desde de 24 de junho de 1995, onde teve seu 1º evento nos Estados Unidos.
Ele é dividido em 2 etapas no ano: O winter X Games ( em janeiro e fevereiro) e o Summer X Games ( julho/agosto) e é um evento exclusivamente transmitido pela ESPN.

X Games 2021

Depois de 2020 sem competição de verão o X Games retorna ao berço dos esportes de ação no sul da Califórnia em 2021 para hospedar os melhores atletas de BMX, Skate e Moto X do mundo com uma nova reviravolta. Atletas incluindo Nyjah Huston, Sky Brown, Bryce Wettstein, Letícia Bufoni entre outros competirão no X 2021 antes de seguir para Tóquio para a estreia do skate nas Olimpíadas.

Grandes nomes brasileiros Leticia Bufoni, Pamela Rosa, Rayssa Leal, Karen Jones, Felipe Gustavo, Kelvin Hoefler e Luan Oliveira, Augusto Akio, Gui Khury, Luigi Cini, Marcelos Bastos, Rony Gomes, Sandro Dias e Bob Burnquist, Edgard Vovô entre outros! Nesta edição vão participar: a Virginia Fortes, Isabelle Avila, Leticia Bufoni, Augusto Akio, Tiago Lemos, Gui Khury e Gabriel Fortunato.


Os X Games sempre “trazem” manobras novas como o “The 900” de Tony Hawk  no skate vertical, Anthony Napolitan com o primeiro Double Frontflip (Duplo Mortal de Frente) no BMX,Travis Pastrana com o Double Backflip (Duplo Mortal de Costas) no Freestyle Motocross, Torstein Horgmo ‘s sendo o primeiro a acertar o triple cork no snowboard, Levi Lavallee com o Double Backflip na modalidade de Freestyle Snowcross, etc. O local do Winter X Games é em Aspen no Colorado até 2012, e do Summer X Games é em Los Angeles.

A programação da transmissão do X Games 2021 na ESPN, ABC e ESPN2 é atualizada na programação aqui. O X Games 2021 também é transmitido ao vivo no Facebook, Twitter, YouTube e TikTok para espectadores nos Estados Unidos e nos serviços de streaming online da ESPN em todo o mundo. Todas as competições também estarão disponíveis no aplicativo ESPN.

Modalidades no
Summer X Games:

Motocicleta

  • Moto X Super X
  • Moto X Speed & Style
  • Moto X Best Whip
  • Moto X Best Trick
  • Moto X Freestyle
  • Moto X Enduro X
  • Moto X Step Up
  • Moto X Adaptive

Rally

  • Rally Car Racing.
  • Rally Car SuperRally.

Skateboard

  • Big Air!
  • Vert
  • Park
  • Street
  • Best Trick

BMX

  • Freestyle Vert
  • Freestyle Park
  • Freestyle Street
  • Freestyle Big Air

Fonte:
ESPN, Wikipédia

 No dia 8 de maio, às 15h, vai rolar uma live sobre a maternidade e o skate no YouTube do @divaskateras sobre os temas:

• A solidão materna

• A mãe e o mercado de trabalho

• A mãe e o retorno à sociedade enquanto mulher

  Com as convidadas: Tat Marques , Rayane Oliveira, Hanna Carneiro e Gabriela Lobato

com mediação da Renata Oliveira.

 

 Com mediação de Renata Oliveira @renataoliveira .

Arte: @tat_marques

Veja a live aqui:

Lizzie Armanto foi a primeira mulher a completar o looping no skate.


Assita aqui : 

Lizzie Armanto é skatista profissional e também assina produtos pela Vans.
 é uma das melhores skatistas na categoria vertical e já foi capa da Thrasher

Lizzie Armanto -2019

Mais sobre o looping:

Existe a lenda de que Duane Peters completou o looping na década de 70. Não existem provas, só a palavra dele e mais alguns “cúmplices”.

No final da década de 90 Tony Hawk completou e foi devidamente registrado, numa missão secreta, com uma rampa montada dentro de uma arena de touradas no México.

Desde então, muitos skatistas tem tentado completar o looping, mas poucos acertaram. Vários se machucaram seriamente!

O looping não é brincadeira.

Além do Tony Hawk, Bob Burnquist é outro cara que pode ser considerado o mestre do looping.

Bob foi o primeiro a fazer o looping de switch. E depois montou um looping com gap no seu quintal. Em 2003, ele conseguiu a proeza de acertar um looping num fullpipe.

Lizzie completou o loop num evento domingo, o “Tony Hawk`s Loop Challenge Live”.

Alguns convidados, entre eles os filhos de Hawk, Riley e Keegan, tentaram. Mas só Lizzie, Charlie Blair e Jeromy Green acertaram.

Fonte: Skataholic

Para chegar ao patamar mais alto do skate é preciso dedicação, muita dedicação. Horas, dias, anos de treinos (e muitos tombos). Praticar qualquer outra atividade além do skate é um desafio e tanto, mas há quem consiga se sair bem também em um segundo esporte. Lembramos aqui de 4 skatistas que são boas em outras modalidades.

fonte: Red Bull 

Leticia Bufoni

Leticia era tão boa no futebol quanto no skate. Até chegar o momento de decidir entre os dois esportes. O tema foi até abordado na série Until 18 (assista no player abaixo). “Foi o momento que eu fiquei mais confusa na minha vida”, diz Leticia sobre a escolha. “Eu queria muito jogar futebol profissional, mas eu também queria conseguir viver do skate”, lembra.

Cara-Beth Burnside

 Ela entrou para a história por ser a primeira mulher a estrelar a capa da prestigiada revista “Thrasher”, em agosto de 1989. Em 2003, realizou outro feito inédito ao assinar um modelo de tênis pela Vans. Mas os feitos da Cara-Beth não param por aí: ela também foi membro da equipe de snowboard dos Estados Unidos e quase foi ao pódio nos Jogos de 1998, em Nagano. Terminou em quarto lugar.

Yndiara Asp

Outra skatista brasileira do primeiro escalão mundial, Yndi é conhecida pela potência nas transições, além de conseguir transferir as habilidades e o flow do concreto para as ondas. “Eu agradeço ao surfe por permitir me conectar com a natureza de uma forma tão única”, diz.

 
Yndiara surfando

Lyn-Z Pastrana

Lyn-Z Pastrana, é uma das melhores do mundo no skate vertical e casada com Travis Pastrana, um ícone do esportes a motor. Foi a primeira mulher a dar um 540 ( veja aqui ). Juntos, o casal gosta de andar de bicicleta em picos incríveis e inacessíveis, onde só é possível chegar de helicóptero.  


Depois de 1 mês com envios de filmagens do mundo todo, o Spot tem orgulho em apresentar o Converse #ConcreteJAMdemic Semi-Finals. São as 30 melhores linhas incluindo skatista desde do Pedro Barros ( Brasil) até o Chris Russell, e até 2 meninas ! Vamos ver quem serão os 12 finalistas que disputarão $10.000,00. Com os comentários dos juízes: Darren Navarrette, Justin Brock, and Mike Sinclair.

Converse Concrete JAMdemic

Este é um campeonato de skate virtual open ( para qualquer categoria ) para os skatistas de transição do mundo todo !

As 30 melhores linhas/vídeos vão para a semi final. ( Os envios já se encerrarão)

Semi-Final ao vivo: Vai passar no dia 12 de abril ( video abaixo) 

Apenas 12 irão para a final que vai passar ao vivo
no canal do Spot Tampa dia 21 de maio as 9:00 ( dos USA)
e esses 12 vão disputar $10.000,00 !!

O Brasil teve participação em peso!!! E apenas 2 meninas passaram para a semi – final , a japonesa Yuri Fujii e a Carolina dos USA.
Teve todas as categorias ( junto e misturado) : infantil, feminino, amador e profissional.

Brasil teve forte participação !!
Média de idade entre os competidores- De 11 anos ate 29 anos


Por: Amee Skate

Em tempos de redes sociais, tudo o que é publicado é esquecido com o tempo.
Para brindar a importância das vídeo partes e os 15 anos do Divas Skateras,
mulheres estão se movimentando para participar do próximo compilado das Divas,
chamado “Brilha”, em parceria com a Vans Brasil.

Mais um projeto que será eternizado na história do skate feminino nacional e que todas
skatistas do paíspoderão fazer parte e ainda concorrer a prêmios. Enviem suas imagens
de manobras em formato horizontal e não fiquem de fora dessa História!

Cartaz Oficial do Novo Video do Divas Skateras– Brilha. Arte : Tat Marques

COMO PARTICIPAR:

ENVIE SUAS IMAGENS SEPARADAS, SEM QUALQUER TIPO DE EDIÇÃO, EM FORMATO HORIZONTAL, PARA O E-MAIL: DIVAS.SKATERAS@GMAIL.COM ;

VALE MANOBRAS SOLTAS, LINHAS, ETC. QUEREMOS QUE SE SINTAM LIVRES PARA PRODUZIR;

SKATISTAS DE TODAS LOCALIDADES, MODALIDADES E NÍVEIS PODEM E DEVEM PARTICIPAR ;

• NÃO ESQUEÇA DE INFORMAR NOME DX VIDEOMAKER PARA SER INCLUÍDO NOS CRÉDITOS;

• TODAS SKATISTAS QUE ENVIAREM SUAS IMAGENS PARTICIPARÃO DO VÍDEO, PORÉM AS 15 MELHORES TERÃO DESTAQUE E GANHARÃO 1 KIT VANS CADA

•• PRAZO PRORROGADO PARA 15/05/2021 ••

A cuiabana Estefania Lima, reuniu um grupo de amigas skatistas em 2006, que
posteriormente veio se tornar o Divas Skateras, com o intuito de se fortalecerem, já
que na época a cena do skate feminino no Brasil tinha pouca visibilidade e incentivo.
Esse fato se estendia às mulheres nas funções de videomakers, fotógrafas, editoras
de vídeo, etc.
Considerando essa situação, Estefania teve a ideia do 1º compilado, com o objetivo
de produzirem seus próprios conteúdos e, já que na época não tinham abertura nas
mídias, juntas criaram seu próprio espaço. Foram reunidas mais de 60 skatistas em
um único vídeo.

1º video do Divas Skateras
2º Video – Compilado 2013

Naquela época o skate feminino era bem diferente do que é hoje, por exemplo, o
acesso a equipamentos eram escassos e elas fizeram acontecer com o que tinham
em mãos. De lá para cá, algo que ainda era utopia, vem se tornando cada vez mais
realidade, após 15 anos de projeto, puderam acompanhar de perto a evolução da
cena e um aumento significativo de mulheres se profissionalizando nas mais
diversas áreas dentro do skate.
Importância de participar

Pipa Souza gravando a vídeo parte da Greicy Kelly para o “Brilha”. Foto: Raphael Ramalho

“Como entusiasta de iniciativas das mídias de skate feminino, eu acho importante
participarmos de todas maneiras possíveis, seja andando de skate, seja por trás das
câmeras. É da hora que exista esse tipo de movimento, porque é muito necessário
para o fomento da cena.
A primeira vez que eu participei de um compilado do Divas, achei super importante
estar fazendo parte daquilo, eu sabia da força que aquilo teria. Isso é algo que vai
muito além do meu rolê de skate. Não é sobre mim, mas sim sobre fazer parte de
um movimento que mostra a pluralidade existente na cena do skate feminino
brasileiro. É importante que isso seja visto não só pelas mulheres, mas também por
todo mundo que gosta e pratica o skate, para verem a força que temos quando nos
unimos e como fazemos a nossa cena.
E agora estou participando deste novo projeto por trás das câmeras porque sei da
diferença que faz acreditar em um projeto e chegar junto pra fazer acontecer.
Também sei que está na hora das mulheres terem mais representatividade em tudo
o que acontece na cena, e elas precisam perceber que podemos ir além das
manobras, podemos ser quem está filmando, fotografando, quem está fazendo
texto, ou ilustração… Está na hora de mostrar pras mulheres que skate não é só
manobra e que podemos explorar além disso.” Pipa Souza é skatista, publicitária e
videomaker.

Faça parte da comunidade
@divaskateras
divas.skateras@gmail.com


POr: Estefania Lima

Após anunciar que a Nike havido rompimento unilateralmente o contrato de patrocínio, a Confederação Brasileira de Skate renovou com a marca por mais um ano, contemplando assim os Jogos Olímpicos de Tóquio.

“O contrato entre Nike e CBSK, com vigência até dezembro de 2020, foi estendido e cobrirá os Jogos Olímpicos de Tóquio, garantindo que a Seleção Brasileira de Skate continue recebendo os uniformes e equipamentos necessários para competir em alto nível”, destacou a empresa em comunicado.

Anteriormente, a CBSk ( Confederação Brasileira de Skate) se viu obrigada a prospectar uma nova parceira em meio à preparação para os Jogos de Tóquio. Com o adiamento do evento, a própria marca americana renovou seus acordos com as confederações de atletismo e basquete, que iriam até dezembro de 2020.

Carlos Ribeiro com o uniforme da Seleção Brasileira de Skate.

Estreante nos jogos que serão realizados na capital japonesa, cada país pode levar até três atleta por modalidade (park e street) e por genêro (masculino e feminino). Assim, o Brasil tem grandes chances de conseguir medalhas porque alguns dos melhores skatistas do mundo são brasileiros, tanto no masculino como no feminino que é o caso da Rayssa Leal de apenas 13 anos de idade.

Rayssa Leal com o uniforme do Brasil e Paul Rodriguez com o uniforme dos USA.
Ishod Wair com o uniforme da França.

por: Amee Skate Arte

fonte: MKTEsportivo

Pin It