Category

Lifestyle

Category

Um dia completo, esta quarta-feira (9) é a mesma de trás para frente e da frente para trás. 9/10/2019 = 9 1 0 2 0 1 9. A data é um palíndromo, que, assim como Arara e Ana, pode ser lido da mesma maneira da direita para a esquerda como o inverso.

O fenômeno não passou despercebido pelas redes sociais, onde vários internautas brincaram com o fato de que “hoje é tão hoje que até de trás pra frente continua sendo hoje”:

O que significa o palíndromo?

Palíndromo vem do grego: é a união das palavras palin (de novo, com repetição, em sentido inverso) com dromo (caminho, curso, pista). Mas atenção: não é só com palavras e frases que um palíndromo é feito. Números e datas também entram no jogo.

  • Antes de continuar a ler, responda: Quantos números palíndromos de cinco algarismos existem? (a resposta está lá embaixo)

O professor de matemática do Anglo, Thales Graça, explica que o conceito pode ser encontrado em qualquer repetição de padrões e cita, por exemplo, a composição “Cânone Caranguejo”, de Bach, que é um palíndromo musical.

 Graça ensina que é possível prever a quantidade exata de números palíndromos possíveis, basta apenas definir quantos algarismos ele deve ter – senão, esta combinação é infinita. (Mas a resposta do desafio ainda não está aqui!)

Palíndromos famosos

Além dos números e das datas, como esta quarta, palíndromos são famosos também na língua portuguesa. A expressão “Roma é Amor“, por exemplo, pode ser lida das duas maneiras.

Socorram-me, subi no ônibus em Marrocos“, é outro jogo de palavras bastante recorrente quando o assunto é este.

Graça ressalta que existe um neologismo criado para quem tem medo de palíndromos: “aibofobia, que, por sinal, é um palíndromo”, diz.

Famosos palíndromos

Pode até não parecer, mas há celebridades que são palíndromos, como o humorista Antônio Carlos Bernardes Gomes. Não reconheceu? Pois bem, e que tal pelo seu nome artístico Mussum, de “Os Trapalhões”?
E o ex-presidente dos EUA, Barack Obama, que adotou o cãozinho Bo para viver na Casa Branca?
O ganhador do Nobel da Paz de 2019 tem muito amor pelo bichinho, com certeza “Obama ama Bo” – outro palíndromo.

Um dos maiores palíndromos

Outro professor de matemática apaixonado pelas palavras que se leem em direito e inverso é o paranaense Ziro Roriz. Ele coleciona mais de 4,5 mil palíndromos, entre palavras, frases, textos e poemas.

Uma de suas mais desafiadoras criações é o este texto palindrômico, com 356 palavras.

 

Segundo o professor Thales Graça, do Anglo, com cinco algarismos é possível criar 900 palíndromos.

Gostou? Tem alguma frase palíndromo? deixe aqui!!!

Texto original: G1

Texto Original : site 100% Skate 

Essa matéria saiu originalmente na revista da 100%skate em  fevereiro de 2010, na edição 143   sobre 10 coisas que qualquer skatista brasileiro deveria saber sobre o Vale do Anhangabaú, local de extrema importância para o skate nacional mas que agora teve uma parte já destruída para uma revitalização do local.

10 Coisas que você deveria saber sobre o Vale do Anhangabaú

1 – Rio do Mau Espírito
O termo tupi “Anhangabaú” tem várias origens e significados consideráveis, mas todas convergem para “rio ou água do mau espírito”. O rio que atravessava o Vale recebeu esse nome provavelmente por conta da ocorrência de algum malefício contra os índios, cometido pelos bandeirantes nas proximidades. Atualmente, as águas correm debaixo dos degraus que recebem skatistas diariamente.

2 – O tio do Carabetti ajudou
No começo da década de 90, o Vale passou por uma reforma que modificou a paisagem e o transformou no mais novo pico de skate de São Paulo. Por coincidência, um dos engenheiros responsáveis, o Sr. carlos Augusto Carabetti, é tio de um ícone da geração dos anos 90, Haroldo Carabetti.

3 – A primeira sessão no Vale
O skate no centro de São Paulo já era uma realidade e, durante as obras da reforma, de cima do viaduto do Chá já era possível ver as arquibancadas cercadas por tapumes. Reza a lenda que, um belo dia, após a saída das maquinas e funcionários, Marcelo BArnero, Alexandre ZikkZira, Daniel Trigo, Ricardo Pinguim, Edu Fernandes e David Toledo retiraram uma das placas de madeirite e exploraram pela primeira vez as bordas do Vale.

4 – Breve proibição
Na virada do século, o Bank Of Boston assumiu temporariamente a manutenção e conservação dos degraus. Durante alguns meses, enorme seguranças, trajando ternos pretos, ficavam postados em diversos pontos, mesmo debaixo de sol intenso, impedindo qualquer tentativa de sessão no local. Foi a única época que o skate foi proibido no Anhangabaú.

5 – Vale tudo
Alguns eventos e campeonatos de skate usaram o Vale do Anhangabaú como palco. Nos de street, pequenas e provisórias alterações foram realizadas, com o uso de obstáculos de madeira, como nos casos do DC King of SP, o Global Assault e o Circuito Universitário de 2009. Curiosamente, durante a história, o Vale recebeu mais campeonatos de vertical do que de street.

6 – Visitas ilustres
Como todo pico mundialmente famoso, foi visitado por skatistas de diversos países do globo terrestre, entre anônimos e famosos. Alguns famosos: Mike Vallely, Brian Anderson, Eric Koston, Rick McCranck, Reese Forbes, Levi Brown, Pj Ladd, Paul Rodriguez, Danny Montoya, além dos finados Keenan Milton e Harold Hunter. Outra figura marcante atende pelo nome de Tamer, canadense que veio ao Brasil exclusivamente para conhecer e andar no Vale.

7 – Debutando na gringa
A primeira aparição do Vale do Anhangabaú em um vídeo de skate gringo foi na parte de Rodrigo Teixeira no 411 Video Magazine vol. 41, de 2000, em uma seção chamada “Wheels of Fortune” (relembre).

8 – No Berrics
Em 2009 o paulista JP Dantas, conhecido como Anjinho, foi o vencedor do DC Pj Ladd’s Project Granite, ação onde o skatista americano mandava uma manobra e a mesma deveria ser novamente executada, filmada e postada na internet através do site do The Berrics. Anjinho escolheu o Vale do Anhangabaú para executar um nollie heelflip fs tailslide com perfeição e foi o grande vencedor (veja a manobra aqui).

9 – Crowd histórico
Como todo pico clássico, o Vale também tem seus dias de crowd. Mas o maior crowd de todos os tempos não foi para andar de skate: no dia 16 de abril de 1984, o maior comício público da história brasileira usou o espaço entre os viadutos do Chá e da Santa Ifigênia para pedir “Diretas Já”, exigindo o direito dos brasileiros de escolher seu presidente (relembre aqui).

10 – Algumas manobras inesquecíveis
O gap grande (que agora tem uma árvore na frente) pulado de Ollie por Alexandre Vianna; Hardflip de Eliana Sosco no gap menor; 360 hardheelflip de Robson reco no canteiro de grama; switch hardflip to tailslide de Rodrigo TX na borda alta; Formiguinha tem várias inesquecíveis, mas a menção não vai para seus combos quilométricos e sim para seu ollie vindo da pedra portuguesa e passando a grade; Bruno Aguero com seu caballerial fakie tail manual; switch 360 flip de Fernando Java pulando o canteiro; Ari Neto que, partindo da borda baixa, passou a borda do meio emendando um flip nosegrind na borda de cima; switch backside tailslide do Anjinho arrancando pro chão; bs noseslide na borda descendo, do bob Burnquist, ignorando os dois trancos (veja aqui).

Texto: Charles Franco
Fotos: Fernando Martins

A Amee Skate Arte originalmente se iniciou como uma marca voltada somente para as mulheres e com o passar do tempo simplesmente ficou uma marca de SKATE , ou seja, sem gênero. Isso devido a demanda e a pedidos de todos. Mas a Amee sempre da espaço para o feminino na arte, no skate e em todas as outras areas! Nossa raíz é materna. =)
Amee.

texto original de 2016

A Amee skate deseja as mulheres ainda mais força para continuarem a revolucionar.
E também agradecer as mulheres que fizeram parte da historia da Amee como o 1º model assinado por uma skatista profissional, a Ligiane Xuxa  e a artista plástica que foi a 1º artista a assinar um model também. Sem contar as skatistas da equipe: Emily Souza Pipa, Natalia Niglli, Lorena Fernanda
que sempre nos fortalece testando nossos produtos, fazendo videos e etc.
Queremos agradecer as modelos que vestem Amee Skt Art a Nati da Cunha, a fotográfa Larissa Mattos por fazer um lookbook lindo, a Graci Santiago, por clicar muitas fotos com os produtos…
Enfim… são muitas as mulheres que nos ajudam!
Nós só temos a agradecer.
Obrigada por nos inspirar a fazer o que fazemos.
AMEE!

LIGIANE XUXA- Skatista profissional  e o seu model com a sua arte

 

Lookbook – Larissa Mattos

 

Silvana Mello, artista plástica, e o seu desenho

 

 

 

 

————–
ORIGEM DO DIA INTERNACIONAL DA MULHER:

 

Dia Internacional da Mulher é celebrado em 8 de março. A ideia de criar o Dia da Mulher surgiu no final do Século XIX e início do século XX nos Estados Unidos[1] e na Europa, no contexto das lutas femininas por melhores condições de vida e trabalhode direito de voto. Em 26 de agosto de 1910, durante a Segunda Conferência Internacional das Mulheres Socialistas em Copenhaga, a líder socialista alemã Clara Zetkin propôs a instituição de uma celebração anual das lutas por direitos das mulheres trabalhadoras.[2][3]
As celebrações do Dia Internacional da Mulher ocorreram a partir de 1909 em diferentes dias de fevereiro e março, a depender do país [1]. A primeira celebração se deu em 28 de fevereiro de 1909 nos Estados Unidos, seguida de manifestações e marchas em outros países europeus nos anos seguintes, usualmente durante a semana de comemorações da Comuna de Paris, ao final de março. As manifestações uniam o movimento socialista, que lutavam por igualdade de direitos econômicos, sociais e trabalhistas ao movimento sufragista, que lutava por igualdade de direitos políticos. Em 1910, durante uma conferência internacional das mulheres, que antecedeu a realização da reunião da Segunda Internacional Socialista de CopenhagueDinamarca, foi estabelecido o Dia Internacional da Mulher, celebrado no ano seguinte no dia 19 de março por meio de numerosas manifestações em países como Alemanha, Áustria-Hungria, Dinamarca e Suíça[4].
Posteriormente, no início de 1917 na Rússia, ocorreram manifestações de trabalhadoras russas por melhores condições de vida e trabalho e contra a entrada da Rússia czarista na Primeira Guerra Mundial. Os protestos foram brutalmente reprimidos, precipitando o início da Revolução de 1917.[5][6] A data da principal manifestação, 8 de março de 1917 (23 de fevereiro pelo calendário juliano), foi instituída como Dia Internacional da Mulher entre o movimento internacional socialista.
Após 1945, a data tornou-se principalmente um feriado comemorado nos países do chamado bloco comunista. Em 1955, segundo as autoras francesas Liliane Kandel e Françoise Picq, surgiu o mito de que a data teria como origem a celebração da luta e da greve de mulheres trabalhadoras do setor têxtil em Nova York em 1857 que haviam sido duramente reprimidas pela polícia ou mortas em um incêndio criminoso na fábrica, segundo diferentes versões do mito. Não há indícios de que isso tenha ocorrido e segundo as autoras, a origem desta versão ocorreu entre feministas francesas que durante a Guerra Fria buscavam uma origem à comemoração que estivesse desvinculada da história da luta socialista [7] [8].
Na antiga União Soviética, durante o stalinismo, o Dia Internacional da Mulher tornou-se elemento de propaganda partidária. Também era amplamente celebrado nos países do bloco socialista na Europa Ocidental.
Nos países ocidentais, o Dia Internacional da Mulher foi comemorado no início do século, até a década de 1920, tendo sido esquecido por longo tempo e somente recuperado pelo movimento feminista na década de 1960. Na atualidade, a celebração do Dia Internacional da Mulher perdeu parcialmente o seu sentido original, adquirindo um caráter festivo e comercial. Nessa data, os empregadores, sem certamente pretender evocar o espírito das operárias grevistas do 8 de março de 1917,[8] costumam distribuir rosas vermelhas ou pequenos mimos entre suas empregadas.
Em 1975, foi designado pela ONU como o Ano Internacional da Mulher e, em dezembro de 1977, o Dia Internacional da Mulher foi adotado pelas Nações Unidas, para lembrar as conquistas sociais, políticas e econômicas das mulheres.[9]
 
TEXTO ORIGINAL DA WIKIPEDIA

Em comemoração ao dia das mulheres vou postar este video da Gallaz ( marca feminina da Globe Shoes) A.K.A. Girl Skater com a Vanessa Torres, Jaime Reyes, Amy Caron e Monica em 2003.
Esse video ( na epoca era fita de video cassete) ganhei acho que da Liza… bom… só sei que eu assistia mil vezes por dia todo o dia. E olha a base que as meninas ja tinham.
O skate feminino esta em alta hj em dia e ganhou mais destaque por causa das midias e claro: as minas estão andando muito! 
Mas não é de hj… Essa evolução vem de anos atras!
Bom conhecer as origens, as historias e go ahead! A evolução não para!
#respeitaasmina #ameeskatearte
#skate #skatefeminino
#skateboarding #girlskater

Pin It